O Filho De Quem?*

* Por Márcio Alexandre da Silva


Com muita expectativa fui assistir ao filme, “Lula: o filho do Brasil”. Dirigido por Fábio Barreto. Baseado no livro como o mesmo título de autoria de Denise Paraná. Gloria Pires (vive dona Lindu, mãe de Lula), Rui Ricardo Dias (Lula), Juliana Baroni (Marisa Letícia), Milhem Cortaz (Aristides o pai), Lucélia Santos (Professora), esses e outros artistas fazem parte do elenco.

Em 1945 Luis Inácio da Silva nasce no sertão pernambucano. Em 1952, sua mãe Lindu cansada da miséria em que viviam, vende o que tem e, com os filhos, viaja 13 dias num pau-de-arara até chegarem à cidade litorânea de Santos/SP. Ela volta a morar com Aristides. A mãe de Lula não suportava mais o alcoolismo do marido (Aristides) e suas crescentes agressões, decide partir com as crianças para a capital do estado – São Paulo.

Em 1963 Lula conclui o curso técnico pelo SENAI, mostrado como um marco em sua vida no filme. Nesse período, Luis Inácio conhece Lurdes sua primeira esposa. Torna-se metalúrgico exercendo a função de torneiro-mecânico no ABC paulista. Lurdes e o filho morreram na tentativa do parto da criança. Lula conhece Marisa Letícia no qual se casa e tem quatro filhos, atual esposa dele. Nessa época Lula intensifica sua militância sindicalista e se despontam como carismático líder – segundo relata o longa.

O filme é mediano, midiático e messiânico. Luis Inácio Lula da Silva só faltou morrer aos 33 anos, pregado numa cruz, e ressuscitar após três dias. Como isso não é possível aos mortais, ele se tornou presidente da república!

Lula no filme assume o pseudo papel de “santo salvador”. Isso se reflete na realidade, prova dessa “santidade/popular” é que fontes do Ibope demonstravam que Lula tem a aprovação de 92% dos entrevistados da região do nordeste. Nem padre Cícero que tem atributo de santo naqueles estados tem tanta credibilidade.

A cinematografia não foge a regra dos níveis de produção brasileira. As dramaturgias brasileiras ainda não fugiram do padrão novelístico global. Infelizmente os filmes brasileiros parecem uma novela com um capítulo de maior duração do que os capítulos das dramaturgias convencionais. Além dos filmes brasileiros serem quase todos apelativos. Vejamos a crítica do Senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) aos filmes brasileiros: “Os cineastas brasileiros têm preferência por mostrar a miséria brasileira”, o filme que analisamos (Lula: o filho do Brasil) não foge essa realidade de relatar a miséria do nosso país em um capítulo de uma novela com duas horas e dez minutos de duração.

O filme aborda temas sensíveis e polêmicos. Relata a repressão do regime militar contra os trabalhadores. Mas os que muitas pessoas querem ocultar e omitir é que grandes meios de comunicações, políticos e empresários que apoiaram o Golpe Militar e hoje posam como promotores da democracia e colocam a culpa do Regime apenas nos Militares.

O filme reacende a chama polêmica do lançamento do Programa Nacional dos Direitos Humanos: “Na tentativa de camuflar a derrota do ministro Paulo Vannuchi (Direitos Humanos), que estava em queda de braço com Jobim, Lula decidiu manter o decreto publicado em dezembro que institui o Programa Nacional dos Direitos Humanos. Esse decreto – na pratica revogado em parte nessa quarta, dia 13 – previa o exame de ‘violações de direitos humanos praticadas no contexto de repressão política’” (Jornal Zero Hora on-line. Artigo: Lula altera plano de direitos humanos).

Não penso que o filme tenha cunho eleitoreiro! Pois para ganhar a eleição Lula contrataria o marqueteiro de Obama e não usaria um filme fraquinho para emplacar e alavancar a/o candidato/a petista presidência ou qualquer outro cargo público.

Ressalto que a análise é estética, ou seja, estou analisando o filme sobre o Lula e não a política, conduta, vida, moral do Lula ou o PT.

28 Response to "O Filho De Quem?*"

  1. Leônidas Marques Says:
    29 de janeiro de 2010 07:02

    Gostei muito do seu blog! Um dia votei no Lula. Hoje estou totalmente arrependido. Tudo dele tem caráter eleitoreiro. Eis uma carta que estou enviando para quase uma centena de jornais :

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, as Centrais Sindicais e a maioria dos parlamentares querem porque querem que os empresários dividam seus lucros com os trabalhadores. O interesse dessa turma surpreende os aposentados e pensionistas do INSS. Precisamos ficar atentos em mais essa manobra do governo. Essa turma que, certamente acatará à ordem do presidente Lula para aprovar essa medida ELEITOREIRA, é a mesma que anos após anos trabalha para deixar encobertas as dívidas das empresas com o INSS. Eles sabem que as dívidas que a maioria dos empresários brasileiros têm com a Previdência daria para pagar todo dinheiro que o governo vem achacando dos aposentados desde o tempo de Fernando Henrique Cardoso. É claro que tudo já deve estar acertado entre o presidente, as centrais, os empresários e os parlamentares. É bem provável que os empresários devedores da Previdência e os sindicalistas tenham feito um acordo entre as dívidas e participação, optando pela segunda. Nessas alturas, nós aposentados vamos continuar Sifu. Acorda gente.


    Leônidas Marques

  2. Márcio says:
    29 de janeiro de 2010 16:32

    Leônidas Marques obrigado pela colaboração.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  3. Márcio says:
    29 de janeiro de 2010 16:34

    Quem discordar ou concordar com a opinião de Leônidas Marques teça as suas observações.
    Participem! Esse espaço e democrático e aberto ao debate.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  4. arioba Says:
    29 de janeiro de 2010 18:59

    Um ex-colega de Lula na Villares dizia que o cara era um bom torneiro quando "faltava", e era um "assíduo" ausente no serviço!
    Na época das famosas greves eu era gerente de uma divisão da Cofap.
    As greves eram uma farsa, o sindicato nunca se preocupou de fato com operário algum, a questão era de empreguismo e corporativismo sindical. Tanto que as coisas nunca foram melhor para os operários do ABC e ficaram muito pior, quando quase se fechou o ABC inteiro para balanço, mas os "sindicalistas" ficaram ricos, quase todos políticos. O ABC quase virou "cidades dormitórios" e cheias de nordestinos (não sou contra os irmãos, mas que são capachos de seus políticos, isso são!)
    Hoje as cidades estão procurando "outras profissões e fábricas" a "Detroit" praticamente desapareceu.
    Nunca votei no "gajo" e acho que ele está fazendo exatamente o que sabe fazer, subir num caminhão e falar bobagens, como na época das greves.
    Mas se tornou um "ladino" da politicagem, principalmente se associando com os "coronéis do pudê", e está se tornando um "padinho ciço"! Acho que melhor seria um "Idi Amin de Garanhuns", mas com certeza terá uma estátua lá na sua cidade natal!
    Agora estão homenageando-o como "estadista global". Claro, está-se chamando Jesus de Genésio, pois está de fato faltando estadistas no mundo.
    Não vi e nem vou ver o tal filme, outra farsa com certeza!
    Abs.
    Ari.

  5. José says:
    30 de janeiro de 2010 02:41

    Eu jamais perderei tempo em assistir esta mentira.Para quem sabe dos podres deste EMBUSTE jamais poderia acreditar numa história tão mentirosa.Assim como a Hipertensão sofrida em Recife nada mais é do que comer demais e beber de mais; O Avestruz come o que ve pela frente e bebe demais.São por estes motivos que a Galega não o acompanha mais, ficando este função para a Guerrilheira Dilma

  6. Erick Chiaramonte says:
    30 de janeiro de 2010 05:31

    Manchete: "Bilheteria de filme de Lula decepciona na estreia". A largada frustrou a expectativa. O Brasil está na moda, Lula é aclamado como uma das pessoas mais poderosas do mundo pela imprensa internacional e o cinema brasileiro teve um ano de gala nas bilheterias. Mesmo assim, apesar de todo estardalhaço e com tudo conspirando a favor, "Lula, o filho do Brasil" estreou abaixo do esperado. No entanto, não podemos deixar de analisar a sua trajetória e persistência.
    Concordo com Márcio no que diz respeito a "santidade/popular, pois as evidências não mentem. Messianismo no Nordeste sempre foi um problema. Por ocasião de crises econômicas, políticas, sociais, morais, é normal que surjam homens e mulheres anunciando a chegada de novos tempos. O Brasil não foge à regra e assistiu, no decorrer de sua história, ao surgimento desses líderes. Citarei alguns: Os Muckers, Antônio Conselheiro e Canudos e João Maria e o Contestado Catarinense.
    Com Lula não foi diferente, pois o Brasil vem se arrastando com suas crises econômicas, políticas, morais, sociais, etc. Quando Lula Chegou ao poder muitos estavam esperançosos de que um novo tempo havia chegado. Mas com o decorrer da trajetória do Lula no poder houve muitas frustrações. A grande massa depositou toda a confiança nesse novo Messias. Muitos foram à Brasília com seus ramos comemorando a entrada triunfal do Messias na "nova Jerusalém". Outros acharam que o novo Messias iria entrar no Templo (Brasília)expulsando os corruptos. Entretanto, o que se viu foi Escândalos de corrupção no Governo Lula.
    Não podemos julgar a sua trajetória e persistência. Mas podemos questionar a sua conduta diante de tantos escândalos de corrupção.
    Assistir "Lula:o filho do Brasil" e aprender com sua coragem e persistência é uma questão para se pensar. Agora, assistir e dizer que o filme é uma campanha eleitoral paga é outra.

    Abraço ao meu amigo Márcio.

  7. Márcio says:
    30 de janeiro de 2010 08:41

    Ari obrigado pela partilha.
    É bom ler comentário de quem esta no meio sindical e metalúrgico.
    Há pessoas boníssimas nas forças sindicais. Não duvidamos disso. Mas, convenhamos que esse meio perdeu a credibilidade num país como o Brasil carente de líderes e pessoas coerentes no comando dos órgão públicos.
    Caro amigo Ari, participe quantas vezes quiser e puder.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  8. Márcio says:
    30 de janeiro de 2010 08:41

    Ari obrigado pela partilha.
    É bom ler comentário de quem esta no meio sindical e metalúrgico.
    Há pessoas boníssimas nas forças sindicais. Não duvidamos disso. Mas, convenhamos que esse meio perdeu a credibilidade num país como o Brasil carente de líderes e pessoas coerentes no comando dos órgão públicos.
    Caro amigo Ari, participe quantas vezes quiser e puder.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  9. Márcio says:
    30 de janeiro de 2010 08:44

    Grato José.
    Rsssssssssssss. O nobre leitor deu até explicações para crise hipertensa do estadista.
    Agradecido pela participação.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  10. Márcio says:
    30 de janeiro de 2010 08:48

    Estimado Erick.
    O Lula foi eleito como grande luz ao final do túnel. As consequencias dessa luz veremos depois de muito tempo. Por ora vemos corrupções como em outros governos.
    Gostei do regate histórico dos heróis do nordeste, uma leitura que ainda não fizera, no entanto, interessante!
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  11. Márcio says:
    30 de janeiro de 2010 08:51

    Para não sermos imparciais, motivo que outras pessoas que tenha pensamentos diferentes aos dos expressados acima se manifestem.
    Todos os comentários são válidos.
    Mas queria ler comentário de alguém que tenha gostado do filme e não o ache eleitoreiro?
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  12. Protesto says:
    31 de janeiro de 2010 03:13

    ótima crítica.

    Espero ver o filme em breve.

  13. Márcio says:
    31 de janeiro de 2010 09:13

    A pessoa que se identificou como “Protesto”, muito obrigado pelo elogio.
    Assista ao filme e deixe as suas impressões no Blog do Professor de Filosofia.
    Será um prazer receber suas considerações, reflexões e partilha.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  14. Roseli Espessotti Says:
    31 de janeiro de 2010 11:07

    Olá Márcio!
    Ainda não tive a oportunidade de assistir o filme, na verdade o cinema brasileiro deixa muito a desejar. Mas é importante relatar ao povo um longa que retrate a história de um grande lider, independente do cargo que ele ocupe na história política atual.
    Como todo governo temos os casos de corrupção, mas o que não posso deixar de salientar é que ele (Lula) continua sendo um grande lider nacional e agora mundial, embora todo lider tenha seus erros e tropeços ao longo do caminho.
    Um grande abraço!

  15. Anônimo Says:
    31 de janeiro de 2010 16:58

    Não posso falar do filme pois não assisti e não pretendo fazêlo, mas já sabemos parte da trajetória de Lula que o filme relata.

    A intenção é eleitoreira sim, mas o tiro saiu pela culatra.

    Espero que seja desmascarado antes que seu mandato termine, pois do contrario nossa Democracia corre perigo.Tania

  16. Márcio says:
    31 de janeiro de 2010 17:11

    Roseli obrigado pela participação.
    Querendo ou não, Lula é um grande estadista.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  17. Márcio says:
    31 de janeiro de 2010 17:12

    Tânia agradecido pela colaboração.
    Com certeza o filme tem um viés eleitoreiro, mas, não teve êxito.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  18. Anônimo Says:
    3 de fevereiro de 2010 01:05

    Interessantes e bem colocadas suas observações sobre a política e os políticos na atual conjuntura. Acrescento um pensamento sobre política internacional, que parece cair no esquecimento, apesar de ser muito importante para o futuro da humanidade.

    Copenhagen e Bretton Woods.
    Foi lamentável e previsível o resultado da conferencia de Copenhague. O mundo além de sustentar a economia americana, com seus déficits astronômicos, deve também engolir a sua enorme poluição. Copenhague é a Bretton Woods ecológica.
    Os Estados Unidos usam e abusam de sua potencia e prepotência. Uma grande democracia que não respeita os direitos do resto do mundo.
    Os futuros historiadores do século 21 ficarão assombrados com a subserviência das demais nações. Espero que fique registrada a razoável atuação do Brasil, demonstrando que o rei está nu. Se é que haverá um futuro. Foi uma das poucas vezes que concordei com Lula.
    Elder Gadotti

  19. Márcio says:
    3 de fevereiro de 2010 06:36

    Elder Gadotti agradeço pela importante participação.
    Suas observações feitas nas políticas internacionais são pertinentes, parabéns!
    Participe outras vezes.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  20. Márcio says:
    3 de fevereiro de 2010 06:36

    Elder Gadotti agradeço pela importante participação.
    Suas observações feitas nas políticas internacionais são pertinentes, parabéns!
    Participe outras vezes.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  21. arioba Says:
    3 de fevereiro de 2010 07:30

    Desculpe-me caro Márcio, gostaria de comentar a mensagem do caro Elder Gadotti.

    Quero crer que não seja um "socialista comunista" onde o vilão do mundo é a nação mais avançada, seja lá qual for. Na úlita guerra, era a Alemanha, ou melhor, Stalin v Hitler.

    Vamos olhar melhor a história americana.

    - Quando os EUA se tornaram independentes, eram uma colonia como o Brasil, aliás, estávamos até melhores do que eles. Porém, fizeram uma nação com uma constituição de "gente" que é a mesma até hoje. Compare com o Brasil.
    - Instalaram uma sociedade democrática pelas leis (pouco importa a forma de governo), abraçaram o capitalismo, cujo habitat natural é a sociedade democrática pelas leis, que permitem contratos, a base do capitalismo. E rapidamente, se ombrearam com as nações desenolvidas da Europa.
    - Como uma nação "dividida", tiveram a coragem de uma guerra civil, que transformou "duas nações, uma capitalista outra escravocrata", numa única nação, coisa que o Brasil já deveria ter feito também há mais de um século!!
    - Com o estouro das crises financeirs do final do sec. XIX e a de 29, estouraram também as duas Grandes Guerras, que foram de fato a solução. Os EUA entraram nas duas em "defesa" de uma parte, por coincidência, a parte melhor. As duas G.Guerrs fizeram dos EUA a maior nação do Mundo! Simples, fizeram a "guerra moral da defesa", agora estão escorregando em guerras imorais de interesses (Vietnam, O. Médio, etc.).
    - Todos seus territórios "conquistados" foram "comprados", portanto são "imperialistas que compram" mas que não "invadem"! E as nações que se lhe submetem, são aquelas cujas elites governantes se "vendem". Alguma nação européia ou Asiática de peso foi "vendida" aos EUA? Claro que o braço econômico americano são as "multinacionais", que simplesmente entram num país dançando de acordo com a música. Quando a música é a corrupção, é claro que estão em condições de "pagar mais", e quem arca é o "povão" esplorado por suas respectivas elites.

    E por aí vai a dança do sapo.

    Não estou defendo o americano, mas acho que eu também penso como o americano pensa, cada nação tem que ser o que é, se quer ser mera ditadura, é problema de seu povo. Se quer ser nação desenvolvida, também é, mas a primeira coisa é acabar com qualquer ranço de ditadura.
    O socialismo é a "doutrina religiosa da ditadura", por isso é prato cheio para as republiquetas latinas! A desculpa é o "imperialismo ianque", como esse imbecil do Chavez, que vive dos "dolares do imperador", ou do cretino Fidel que reclama do "embargo americano"!! Por que não reclamava quando era filhote da URSS?
    Vale o ditado, cada povo tem o governo que "merece", para se melhor, o povo tem se evoluir, isto é, "tornar-se classe média, instruída e evoluída", aí a ditadura desparece!

    Esta última parte da mensagem não se refere ao Elder, mas o "comunismo arcaico e carcomido"!
    Acho que entra no texto do blog, porque Lula é um filhote do "comunismo do pudê", exatamente o que mostra seu "filme", como se comentam.

    Ariovaldo.

  22. José Maria Cancelliero Says:
    3 de fevereiro de 2010 14:59

    Prezado Alexandre,
    parabéns pelo blog. Textos de um brasileiro consciente, completamente compromissado com a sociedade em que vive.
    Quanto ao polêmico Programa Nacional dos Direitos Humanos - penso que precisamos nos manter alertas a qualquer tipo de ameaça à liberdade de expressão e aos direitos fundamentais da cidadania brasileira.
    Convido-o a entrar no blog: http://falazemaria.wordpress.com

    Lá você poderá encontrar este e outros assuntos de interesse de todos que buscam diversificar seus conhecimentos e se abatecer de notícias a respeito da educação e seus profissionais.

    Será um imenso prazer receber seus
    comentários e pontos de vista.

    Um abraço,

    Professor José Maria Cancelliero
    Presidente do Centro do Professorado Paulista (CPP)
    São Paulo - SP

  23. Márcio says:
    4 de fevereiro de 2010 06:47

    Arioba fez uma análise do comentário do Elder.
    Belíssima iniciativa Ari.
    Outros poderiam tomar a brilhante atitude.
    Muitíssimo obrigado Ari.
    Se o Elder quiser tecer suas relevâncias será bem vinda.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  24. Márcio says:
    4 de fevereiro de 2010 06:47

    Arioba fez uma análise do comentário do Elder.
    Belíssima iniciativa Ari.
    Outros poderiam tomar a brilhante atitude.
    Muitíssimo obrigado Ari.
    Se o Elder quiser tecer suas relevâncias será bem vinda.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  25. Márcio says:
    4 de fevereiro de 2010 06:51

    Todos os comentários são bem vindo no nesse blog.
    Mas de fato receber um comentário do Presidente do Centro do Professorado Paulista (CPP)
    São Paulo – SP o Professor José Maria Cancelliero é uma imensa satisfação.
    O blog: http://falazemaria.wordpress.com, fará parte das minhas leituras rotineiras. Obrigado pela sugestão.
    Professor de Filosofia - Márcio Alexandre da Silva – Autor do texto (O Filho de Quem?)

  26. Anônimo Says:
    25 de fevereiro de 2010 06:56

    Caro Ariovaldo,
    Concordo com praticamente todas suas observações. Entretanto não percebi sua posição quanto a insustentável atitude americana com respeito ao efeito estufa.
    Tenho grande admiração pela democracia americana. Estudei e trabalhei muitos anos nos USA. Até publiquei lá mesmo artigos expondo os aspectos positivos da sociedade americana. Tudo isso não diminui meu espírito critico – ainda considero um enorme erro a imposição em Bretton Woods do padrão dólar. Impediram sempre que se adotasse outro padrão, porque é muito cômodo financiar seus déficits astronômicos. Alem disso não seguem as regras do próprio FMI, e o Obama já disse que nem vai tentar. É assustador ter um déficit fiscal de 10,7% e uma divida de 65,2% do PIB. A maioria dos economistas acredita que caminhamos para uma terrível crise econômica, com a queda do padrão dólar.
    Sou socialista e conheço bem o lado de lá, e também tenho severas criticas à desastrada economia estatal. Sou socialista light, sueco, abomino os regimes russo, chinês, cubano, etc. Acredito que eles não são nem nunca foram socialistas.
    Com respeito ao efeito estufa, Insisto que os USA, como potencia líder mundial, não tem o direito de ignorar e sabotar os acordos de Kioto e Copenhague. Nossos filhos sofrerão as conseqüências desse enorme erro, assim como sofremos hoje as conseqüências de Bretton Woods.
    Elder Gadotti

  27. Heric says:
    3 de maio de 2010 05:49
    Este comentário foi removido pelo autor.
  28. Heric says:
    3 de maio de 2010 05:50

    Eu ainda não assisti esse filme, por falta de intereçe mesmo, mais agora que li esse artigo deu-me uma curiosidade de saber mais sobre, nem que seja apenas para averiguar se a sua critica esta bem fundamentada.

    Abraços

    Parabens pelo blog