O “POR QUE” E O “PARA QUE” DA NOSSA EXISTÊNCIA

Quase sempre confundimos o POR QUE, com o PARA QUE. Na indagação são apenas perguntas. A segunda forma vai mais além: há também uma interrogação, mas ela dá respostas para ao ato de interrogar.

Explicarei melhor. Normalmente perguntamos o por que acontecem determinadas coisas. E nos esquecemos do para que? Para ilustrar tomemos um exemplo comum. Você já deve ter se perguntado o por que da filosofia? Se já fez esta indagação já esta filosofando mesmo sem querer ou saber. Mas devemos nos perguntar o para que o filosofar? Para melhor ilustrar podemos dizer que o por que: é o sentido filosófico dos nossos questionamentos. E o para que: o sentido existencial das nossas indagações.

Freqüentemente perdemos entes queridos. E sempre nessas situações inferimos a questão do por que dessas mortes? Algumas de forma tão primaria e inesperada. Quando se tem essa atitude de perguntar sobre essas perdas, a pessoa esta filosofando sobre o sentido da morte, que esta intimamente ligada com o sentido da vida.

Mas devemos ir além e, entender o para que a morte? Ela existe para que nós seres humanos, dotados de orgulho e soberbas percebamos que a vida é finita, e após essa descoberta valorizarmos nossas vidas e as dos outros, pois como disse William Shakespeare (1564 1616) “As pessoas que amamos vão embora sem se despedir de nós”.

Mas a morte por mais drástica que seja é a chave de todo o processo da existência, fruto da perenidade da natureza humana, por mais dura que seja a realidade da finitude da vida terrena.
Filosofia deriva de duas palavras gregas que significa amor ao saber. As pessoas buscam mesmo que de forma inconsciente, saber o por que da perda de nossos próximos, quando assim nos comportamos, estamos sendo amiga e amigo do saber, querendo entender a morte. E para que entender a morte? A ciência médica consegue até prolongar a vida, mas não consegue dar resposta para a humanidade sobre a morte. Neste momento entra a filosofia que tenta dar soluções ou formulações sobre o sentido das vidas, pois é compreendendo a vida que entenderemos a morte, pois quem soube viver, saberá morrer, a morte é o termômetro de como foi à vida da pessoa. Daí a resposta simples do para que a morte? Para compreendermos o sentido da nossa vida.

Não importa em que grau de questionamento você esteja (no POR QUÊ? Ou no PARA QUÊ?). O que interessa é que você reflita sobre a sua vida, seu existir e a sua finitude, boa reflexão a todos e todas.

Por Márcio Alexandre da Silva (Márcio Alexandre da Silva é formado em Filosofia e educador da rede pública de ensino do Estado de São Paulo)

3 Response to "O “POR QUE” E O “PARA QUE” DA NOSSA EXISTÊNCIA"

  1. carol says:
    7 de agosto de 2008 18:49

    EU GOSTEI DO TEXTO POR QUE NOS MOSTRA O SIGNIFICADO O "POR QUE" E "PARA QUE" DA FILOSOFIA.

  2. Anônimo Says:
    19 de abril de 2010 12:28

    Danillo
    achei interessante o modo como o professor alexandre colocou a diferença dos significados com transparência para os leitores por isso que compreendi o por que e para que da filosofia.

  3. Ivan Falcão says:
    28 de julho de 2015 10:48

    To aqui com a mesma pergunta: Por que intitular como por que e prá que se não for prá responder? Só prá chamar a atenção???