Afetos e afetados

Por Márcio Alexandre da Silva

Algumas vezes por não recebermos afetos, caímos no egoísmo e cometemos o erro de guardarmos os carinhos que temos para nós mesmos e não o distribuímos. Esquecemos que quando guardamos o amor para si, ele apodrece, como quando acondicionamos maçãs em caixas de papelão.

Nós condicionamos as crianças a acumular carícias e amor e não as distribuir. É comum dizermos para as crianças. “Não deixe fulaninho brincar com seus brinquedos ele não deixa você brincar com o deles”. Somos maus acostumados a economizar carinhos e afetos. Temos a ideia errôneas de que eles acabarão por isso devemos poupá-los. Ainda assim muitas pessoas se casam querendo apenas receber amor, não dando amor, enclausurando o amor dentro de si. Não foram educados para entender que as trocas de afetos enriquecem as pessoas. Pois, desde pequenos somos educados a economizar carinho, afeto e atenção. Como no exemplo do carrinho, em que a criança é motivada a não emprestar, se não for rec eber algo em troca. Essa mentalidade esta totalmente errada.

Há pessoas que são carentes de afetos. Isso é o grande mau da modernidade, as pessoas estão cada vez se relacionando menos. Estudos feitos com crianças comprovam que algumas quando doentes, mesmo que tratadas, com medicações e médicos de qualidades, não se recuperam senão tiverem carinhos. Gestos de carinhos são terapêuticos.

Alguns erros em relações aos afetos:
Muitos pensam que a carícia tem limites por isso devemos economizá-los. Distribuir carícias pode acostumar às pessoas – muitas vezes não pegamos a criança no colo com o argumento de não acostumá-la má e “intoxicamos” de leite enquanto ela chora. Nunca receba carícias gratuitamente a única forma de recebê-la é em forma de troca. Você não deve se auto-elogiar, os outros sabem do seu mérito. Homem não pode ser cuidado por mulher, afinal somos “mais fortes”. Homem não pode ser cuidado por outro homem, senão seremos afeminados ou fracos. Quanto menos depender dos outros melhor. Talvez esse último seja o pior de todos os erros: sexo é a única forma de trocas de carícias, afetos e prova de amor.

Os aspectos positivos dos afetos são: as coisas que nos causam bem estar e prazer benéfico, realização, reconhecimento, acolhida, elogios, gestos de afetos, convites, abraços, beijos, olho-no-olho, telefonemas...

Os aspectos negativos dos afetos são: agressões, seja físicas e verbais, depreciação, desafetos, indiferenças, bajulações, falsos elogios.

Os frutos das carícias negativas. Por exemplo, a pessoa faz um trabalho errado, recebe falsos elogios. Alguém fez algo errado com caridade corriga a pessoa para que ela possa mudar.

As vantagens do amor próprio excessivo é que sempre devemos rezar a seguinte oração: “Ó Senhor, fazei que eu ame o próximo como a mim mesmo, mas, antes, Senhor ensina-me a amar a mim mesmo”. Pois, o amor próprio faz as pessoas terem vontades de praticarem esportes, aprender filosofia, cultivar artes e outras coisas boas da vida. Quem se ama equilibradamente, começa a ser amado pelo próximo, e passa a amar o próximo como a si mesmo.

O ser humano ainda perece por falta de amor.

Comece hoje o desafio da terapia do abraço. Inicie abraçando pelo menos três pessoas por dia. Com o passar do tempo aumente esse número. E sem que menos você espere estará trocando afetos com varias pessoas.

Experimente o poder terapêutico de um abraço!

32 Response to "Afetos e afetados"

  1. Prof. Maxsuel Andrade Soares says:
    13 de novembro de 2010 17:42

    Fato. Abraçar e ser abraçado deveria para quem não tem o hábito pode ser estranho no início. Mas isso faz uma grande diferenaça relacional. Todos necessitamos de afeto. E a melhor maneira de recebe-lo é dando.

  2. Igor Holanda Nanni says:
    8 de fevereiro de 2011 02:15

    Blog de Educação e Filosofia.

    Acreditar na Educação como base fundamental para o desenvolvimento social.

    Acesse: educacaofilosofal.wordpress.com

  3. FM says:
    23 de fevereiro de 2011 21:56

    Muito Bom o texto parabéns

  4. João Concliz says:
    4 de março de 2011 10:36

    Parabéns pelo texto!
    Criei meu próprio blog há poucos dias e hoje postei um texto com a perspectiva de Nietzsche sobre o saber filosófico.
    Passem lá se tiverem curiosidade:
    www.meiodoredemoinho.blogspot.com

  5. Lord Vader says:
    6 de março de 2011 04:18

    Sou editor do blog Ensaios e Manifestos e de passagem por aqui , gostei do teor dos textos. Gostaria de convidar o autor a conhecer a proposta e o teor do blog , assim como está convidado a nos enviar um texto de tema livre para a postagem , dentro do espírito do Blog de ser um banco de idéias , ensaios e manifestos
    www.ensaiosemanifestos.blogspot.com
    [ ]s !

  6. Prates, F. says:
    7 de março de 2011 04:54

    Devo ver isto como uma conjectura religiosa ou uma tentativa de filosofia humanística? Discordo de que seja a carência de afeto recíproco o mal da sociedade atual, mas, faço outra proposta de pensamento; suponhamos então que seja a má administração desse afeto que faça essa sociedade pender ao caos espiritual. Estamos em um momento onde as pessoas não se vêem mais, não enxergam a si mesmas, muito menos aos outros; hoje, afeto se chama libido. O ser que não se conhece, que não deseja entregar-se ao seu verdadeiro "eu", não pode entregar nada de valor ao outro, simplesmente por que este não o possui.

  7. André Mendes says:
    16 de março de 2011 11:47

    olá meu caro adorei o teu blog podemos nos conhecer melhor, eu sou apaixonado por filosofia veja meu blog andremendhes.blogspot.com

  8. ragora says:
    20 de abril de 2011 10:12

    Maravilhoso! Lindo texto.
    Precisamos preservar a autoestima, somente assim seremos amor integralmente.

  9. Alex says:
    11 de maio de 2011 08:37

    tenho um blog de filosofia que é www.alexfilosofodeubajara.blogspot.com. quem quiser acessar retribuo a visita.

  10. Clinica Psicologia says:
    12 de julho de 2011 14:21

    Very nice post. I just stumbled upon your weblog and wanted to say that I’ve truly enjoyed browsing your blog posts. After all I will be subscribing to your rss feed and I hope you write again very soon! Best Regards, Pedro.

  11. Carlos Pires says:
    17 de julho de 2011 14:36

    Off Topic:

    Blog de Filosofia:

    Dúvida Metódica

  12. Anônimo Says:
    28 de julho de 2011 18:24

    Ás decisões da mídia afetam a vida de milhões de pessoas,vendem sonhos impossíveis de luxo,beleza e poder os adolescentes ao invés de conhecerem os verdadeiros valores humanos,sonham com status e arrogância.Um mundo que deveria caminhar em direção a justiça,passa a girar em torno da matéria.Esse poder destruidor consegue libertar os piores sentimentos do instinto humano, inveja,ira,sadismo,orgulho,indiferença,avareza,medo

  13. Vera says:
    29 de julho de 2011 19:06

    Gostei muito do blog e do texto, está nos meus favoritos. Saudações.

  14. Diogo Bogéa says:
    12 de agosto de 2011 21:21

    Olá, estou lançando um livro de ensaios Filosóficos, para incentivar a reflexão e o questionamento de nossas verdades habituais, chamado "Eu, O Personagem". Se puder dar uma olhada, o site é http://www.euopersonagem.com
    Críticas são bem vindas.

    Um abraço,
    Diogo

  15. Márcio Says:
    26 de agosto de 2011 04:53

    Gostei do blog!

  16. Realit.com says:
    29 de agosto de 2011 16:09

    quem gostar de filosofia ou ser professor de filosofia me add no meu msn por favor:
    mr.realit@hotmail.com ^^ blz?#

  17. Fezão says:
    2 de setembro de 2011 14:50

    Vendo coleção dos grandes filosofos; Socrates, Kant, Adorno e muito outros filosofos, são mais de 20 filosofos da coleção "COMPREENDER".
    Quem estiver interessado é só mandar um e-mail para: nando_b147@hotmail.com
    Aceito negociação ou troca por outros livros de filosofias.

  18. Anônimo Says:
    5 de setembro de 2011 09:50

    Muito legal o seu blog.....gostaria d compartilhar este novo blog:
    ...
    http://www.filosofiabis.net/
    ...
    muito bom!Q!!!!!

  19. O Blog do seu PC says:
    1 de outubro de 2011 05:45

    O egoísmo e o orgulho têm a sua fonte num sentimento natural: o instinto de conservação. Todos os instintos têm sua razão de ser e sua utilidade, porque Deus nada pode fazer de inútil. Deus não criou o mal; foi o homem que o produziu pelo abuso que fez dos dons de Deus, em virtude de seu livre arbítrio. Esse sentimento, encerrado em seus justos limites, portanto, é bom em si; é o exagero que o torna mau e pernicioso; ocorre o mesmo com todas as paixões que o homem, freqüentemente, desvia de seu objetivo providencial. De nenhum modo Deus criou o homem egoísta e orgulhoso; criou-o simples e ignorante; foi o homem que se fez egoísta e orgulhoso exagerando o instinto que Deus lhe deu para a sua conservação.

  20. FILOSOFO E TEOLOGO says:
    6 de outubro de 2011 13:54

    Projeto de lei propondo que todo político eleito (vereador, prefeito, Deputado, etc.) seja obrigado a colocar os filhos na escola pública
    Ela pode, realmente, mudar a realidade do nosso país.
    O projeto PASSARÁ, SE HOUVER A PRESSÃO DA OPINIÃO PÚBLICA.
    LEIA TODO O PROJETO EM MEU BLOG http://evaldofiloteo.blogspot.com/
    E VOCE PODE COLOCAR TAMBEM EM SEU BLOG

  21. Anônimo Says:
    19 de outubro de 2011 09:53

    Gostei da problematização do texto, que levanta como um possível mal do século a necessidade do autoconhecimento humano visível na falta de afeto ente os semelhantes. Gostaria que verificassem no sétimo parágrafo a ortografia da palavra "corriga",sendo o correto a palavra corrija.Obrigada!

  22. Brasilmix says:
    29 de outubro de 2011 03:30

    Livros usados em oferta!!!
    Visite
    www.brasilmix.com.br

  23. Anônimo Says:
    3 de novembro de 2011 14:19

    A falta de afeto e a extremizaçao do individualismo sao nada mais do que consequencias da visão , a cada dia mais pregada e passivamente aceita , do homem como instrumento de consumo , um eterno acumulador de bens materiais , pois ao consumir um abraço ou uma frase reconfortante , nao se paga imposto nem obtem-se lucro.

  24. Anônimo Says:
    9 de novembro de 2011 13:46

    talvez carinho demais gere falsidade, erroneamente por vezes damos carinhos a pessoas erradas, e por vezes percebemos que a pessoa a quem devessemos dar tais carinho sejam nossos familiares... e a questão dos brinquendos por vezes o " FULANINHO " a quem os pais disse para não emprestar seja verdade por eles serem mais velhos, são mais sábios e por ventura vc aproveita mais o seu carrinho.

    pensador livre

  25. Anônimo Says:
    9 de novembro de 2011 15:04

    Márcio, por curiosidade sei que vc é um homem de respeito e ocupado de um intelecto absurdamente valorizado e eu um jovem estudante e amante real não só do amor humano mais filosofico também e por eu ser de uma cidade pequena e pouco instruida peço-lhe encarecidamente se por ventura, o senhor por ser mais velho e experiente não possa me passar o seu email ou melhor msn para que possa me explicar melhor sobre tudo isso como faziam os gregos filosofos por discurso, sei que não me conhece e muito menos tem alguma vontade disso, mais só por trocas de aprendizado filosofico por meio de dialogos, e para um melhor aprendizado sendo vc um filosofo e eu um jovem aprendiz dedicado... se sim peço encarecidademente que me deixe um email para contato.
    grato desde de já
    assino como: pensador livre.

  26. William Robson says:
    19 de novembro de 2011 14:08

    "Amar a Deus e ao próximo como a si mesmo!"...
    $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
    Eu não quero que ninguém fique cego, mas entre eu ficar cego e o meu vizinho ficar cego eu prefiro que seja ele.
    Em teoria eu abriria uma exceção para minhas filhas, mas só chegando o momento e analisando as circunstancias para saber.
    Eu não sou um monstro, sou um cidadão comum que não sinto necessidade de usar mascarás, pelo menos neste ambiente.
    Eu respeitar o próximo não é algo muito difícil é até fácil, eu gostar do próximo é até um prazer eu gosto de muitas pessoas.
    Amar a todos como amo a mim mesmo é uma utopia que nem compensa ser tentada.
    Este amor não é observável em nossa espécie, aliás em nenhuma espécie animal conhecida.
    Para eu amar os outros como eu mesmo todos deveriam pensar exatamente como eu e ter os mesmos valores e mesmo assim este amor não estaria garantido confesso que tem horas que eu gostaria de ser diferente, algumas mentes me atraem justamente por pensarem diferente.
    Não, acredito que o homem não pode ter a pretensão de amar a todos, é impraticável, pura perda de tempo e desperdício de energia isto é uma alucinação dos antigos.
    Vejo estas pessoas com disposição para saírem abraçando e querendo ser abraçadas e penso “porque são tão carentes”?
    Um amor incondicional não é possível nem para com nós mesmos, quanto mais como todos os próximos.

    http://terapiadalogica.blogspot.com/

  27. Anônimo Says:
    1 de dezembro de 2011 02:14

    eu adorei o texto,acho que eu vou ser uma filosofa e acho também que a filosofia é uma terapia muito legal...

  28. DreamCatcher says:
    20 de janeiro de 2012 09:14

    adorei este blog.Amar,uma grande questão humanística.Amor não é um instinto,quem quer amar ultrapassa o grande desejo,a carência,a retribuição,a razão.Se o amor ignorante a nós mesmos é tão grande e tirânico em relação aos outros...por que não ir além?por que não dividir o gosto narcisista que tem a si mesmo?porque é racional,humano e...Ama.
    Tem uma chave:reduza a carência,ame sem máscaras ;)

    de uma visitada no meu blog,tm muita filosofia por lá: telepistola.blogspot.com

  29. Anônimo Says:
    2 de fevereiro de 2012 14:26

    eu não comcotdo

  30. Matheus says:
    31 de março de 2012 12:40

    Passando para conhecer o blog, muito bom e com ótimo conteúdo!

  31. Matheus says:
    31 de março de 2012 12:42

    Parabéns pelo trabalho!

  32. Jair Filho says:
    17 de maio de 2012 12:09

    Parabéns a você pelo conteúdo do seu blog. Há algum tempo eu disponibilizo o seu link no meu blog. Espero que você não se importe. É que temos que divulgar o que é bom.

    Quando puder, me visite: jairfilho.blogspot.com


    Abraços.